Sabedoria Ramatís

Sabedoria Ramatís

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Aspectos psíquicos da experiência mística - Da dificuldade vibratória dos Guias e Protetores se aproximarem dos médiuns.



A "ligação" de um médium com um espírito que lhe dará assistência, seja mentor, protetor ou guia, é construída durante várias encarnações e períodos entre vidas, quando estais desencarnados, e também nas encarnações sucessivas. A ancestralidade determina as vibrações afins que se aproximarão num mesmo ideal evolutivo, eis que ambos, espírito desencarnado e encarnado, evoluem. É certo que o preparo e a visão do espírito liberto da matéria grosseira ficam ampliados, mas não infalíveis, pois a perfeição absoluta só existe no Cosmo em Deus.
Quando verificamos médiuns oradores se emocionarem diante das platéias hipnotizadas ao afirmarem que esse ou aquele espírito continua em vosso planeta, mesmo tendo alcançado a passagem de ida para outros planetas mais evoluídos, entendemos o amor que moveu tais espíritos, irmãos de jornada, na decisão de permanecerem na Terra, mas não entendemos a exaltação gloriosa em que os homens os colocam ... Como se não houvessem entidades espirituais de orbes ainda inimagináveis a vós, que se impõem imenso rebaixamento vibratório para vir dar consulta, humilde e anônima, plasmando corpos astrais de pretos velhos ou caboclos nos terreiros de Umbanda, ou para atuarem nos recônditos do Umbral inferior através das estações socorristas intergaláticas.
Importante entender-se que dificuldade vibratória de aproximação com a aparelhagem mediúnica não quer dizer distanciamento. Urge, no planeta, que se intensifiquem as intervenções higienizadoras nas baixas zonas abismais da psicosfera. Ora, mesmo previsto pelo Alto, o mentalismo do Terceiro Milênio, que ora se inicia, está muito longe de se concretizar na Terra. Os habitantes da crosta ainda precisam das energias telúricas, dos cânticos, dos defumadores, das flores, das essências aromáticas; pela vossa habitual desconcentração mental, se fazem relevantes os pontos de fixação para os pensamentos e os condensadores energéticos para a efetiva manipulação curativa das energias cósmicas nos trabalhos mediúnicos assistenciais. É mais fácil desfragmentar algo ou condensar? Imaginai o tipo de energia necessária para a recomposição de tecidos astrais de entidades estropiadas e reconstrução de hospitais e cidadelas no umbral: buscar-se-á "combustível" nos raios das estrelas distantes ou nos sítios vibracionais do planeta, do ar, da terra, da água e do fogo?

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

O uso de amuletos e talismãs.



PERGUNTA:  Achamos que é crendice ou superstição certas pessoas usarem um pequeno frasco de mercúrio como amuleto ou talismã contra maus fluidos!
RAMATÍS:  Sem dúvida, um singelo frasco de mercúrio junto ao corpo é de pouca eficiência, caso o seu portador continue a produzir maus pensamentos e sentimentos ruinosos ao próximo! 1 Conforme a lei de que "os semelhantes atraem os semelhantes", os maus pensamentos atraem maus pensamentos. No entanto, os antigos magos não eram apenas cientistas conhecedores de todas as leis e forças do mundo oculto, mas seriam ótimos psicólogos e psiquiatras na atualidade. Os seus talismãs e amuletos funcionavam como verdadeiros acumuladores de forças magnéticas, não só imunizando o campo áurico do indivíduo, como ainda captavam ou dispersavam os fluidos projeta- dos contra o perispírito humano. A pessoa convicta de possuir poderoso amuleto, que a livrava das ofensas fluídicas inimigas, também se revigorava psiquicamente, tal qual o homem moderno sente-se mais seguro, quando atravessa região inóspita, de arma à cinta!
1 - Como a homeopatia é um campo de energia dinamizada de certa substância, erva ou tóxico, os médicos homeopatas têm observado que se curam mais rapidamente as pessoas que costumam carregar junto ao corpo as doses em uso. Aliás, todas as coisas e seres produzem eflúvios e ondas eletromagnéticas havendo combinações salutares ou enfermiças, o que nos induz a pesquisar atentamente a propalada "superstição

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

O Duplo Etérico e suas funções – X





PERGUNTA: De que modo as drogas hipnóticas, os entorpecentes ou anestesiantes são prejudiciais aos médiuns de fenômenos físicos, mecânicos, psicógrafos ou de incorporação total?



RAMATÍS:  As anestesias operatórias, os antiespasmódicos, os gases voláteis, os sedativos hipnóticos, os barbitúricos, o óxido de carbono, o fumo e certos alcalóides, como a mescalina, o ácido lisérgico e outros, são substâncias que operam violentamente nos interstícios do duplo etérico, pois a catalepsia, o transe mediúnico, a anestesia total, a hipnose e o ataque epiléptico resultam mais propriamente do afastamento súbito desse corpo delicado e responsável pela absorção vital do meio. Embora a necessidade obrigue o médium a se utilizar de tais substâncias, em momentos imprescindíveis, é sempre imprudente abusar delas sob qualquer pretexto ou motivo. As drogas entorpecentes e os gases anestesiantes, em geral, afastam o duplo etérico pelo lado esquerdo, à altura do baço físico e sobre o qual funciona o "chacra" esplênico; isso provoca transes, hipersensibilizações e inconvenientes, caindo a temperatura do corpo e reduzindo-se a vitalidade orgânica.
Durante a materialização, a hipnose, a anestesia e o sono, reduz-se a taxa do Prana ou Vitalidade que é absorvida comumente através do meio ambiente por esse chacra ou centro esplênico. Então o duplo etérico, nessa ocasião, tende a projetar-se para o mundo oculto, no qual ele se sente "à vontade" e se mostra mais sensível e eufórico, enquanto revigora-se de Prana, sem necessidade de alimentar o corpo físico adormecido. 6
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...