Sabedoria Ramatís

Sabedoria Ramatís

sexta-feira, 17 de abril de 2015

A VIDA NO PLANETA MARTE E OS DISCOS VOADORES - Aspectos humanos – I




PERGUNTA: Em Marte existe um só tipo racial ou são diversos?


RAMATIS: Os marcianos originaram-se de várias raças, mas atualmente apresentam dois tipos fundamentais ou predominantes que sobrepujam os grupos remanescentes de outros troncos e de características mais heterogêneas. Em zonas análogas à vossa Europa, distingue-se o tipo alourado, de cabelos sedosos, de cor semelhante à da areia praieira e que alguns usam compridos, caídos poeticamente, até os ombros. A sua pele é delicada, num tom rosado, e a fisionomia tranqüila. Os olhos variam entre o cinzento-esverdeado e o azul-claro, límpidos, translúcidos e impregnados daquela ternura que reflete a paz da alma. Esse tipo que é de aspecto feminil, de movimentos poéticos e suaves, embora cerebralmente acima dos terrestres, revela a expressão familiar das crianças calmas, educadas e de caráter inofensivo. 
Noutra região, guardando características semelhantes às dos que habitam nos vossos climas mais aquecidos, próximos do equador, há outro tipo de menor estatura, variando entre um metro e meio a um metro e sessenta de altura, atarracado, de pele morena, muito lisa e luzidia, sem rugas, sinais ou manchas. Tem cabelos curto, rente; seus movimentos são vivos, enérgicos e decididos, exsudando muita vitalidade expressiva da sua configuração mais masculina. Tipo de cabelo preto, olhos escuros, castanhos, aveludados, que refletem um misto de energia e brandura. Nota-se, em suas expressões gerais, o domínio da mente sobre a esfera emotiva, denunciando um tipo mais prático do que o alourado.



PERGUNTA: Há muitos tipos intermediários?

RAMATIS: Sim; e também com expressões peculiares, conforme os tendes na Terra. Alguns ultrapassam a estatura comum e outros ficam aquém do normal, embora isso ocorra em menor percentagem do que no vosso mundo, porque os etnologistas marcianos já corrigiram as características somáticas, irregulares, dos tipos inferiores, mediante um processo científico que lhes permite atuar com êxito no fenômeno genético, intervindo nos elementos hereditários e agindo na própria cromatina da vesícula seminal. Desse modo, orientam, gradual e progressivamente, os ascendentes biológicos no crescimento e na formação dos sistemas responsáveis pelas modificações organogênicas. Embora, como é natural, também se defrontem com as influências mesológicas, que caldeiam tipos excêntricos, na conformidade de cada região, já se denuncia um novo padrão geral, um terceiro tipo condicionado a princípios eugênicos mais adiantados. A restante minoria compõe-se de tipos mais heterogêneos, remanescentes das tribos primitivas que habitaram as zonas rurais, mas que também já se reproduzem sob diretrizes de controle científico.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

O MILAGRE DA MEDIUNIDADE




"No Universo não existem fantasias nem milagres, mas tudo obedece a um processo de ciência cósmica com leis invariáveis."
     

      RAMATÍS, Elucidações do Além, 1964.

Cansada de tanta dor, a jovem senhora que mais parecia uma velha, pela aparência do corpo arqueado, resolveu que daquele momento em diante não buscaria mais o auxílio da medicina, e sim o "milagre" dos Céus. Assim, descendo de seu pedestal de "madame", resolveu começar subindo a escadaria da santa, durante uma romaria. Lá rezou à sua maneira, acendeu velas e pediu cura. Ensinaram-lhe que precisava fazer novena, e assim ela fez. Nenhum sinal, nada de o milagre acontecer. As dores lancinantes na coluna, depois de subir a escadaria, e a falta de resultado, após todo aquele sacrifício, já a estavam desanimando, quando recebeu nas mãos um panfleto. Ali estavam promessas de cura, de verdadeiros milagres operados pela força do Espírito Santo, e foi para lá que ela se dirigiu. No primeiro dia, era preciso expulsar o demônio, e só depois de "colaborar" com o templo e iniciar uma corrente de oração é que receberia a graça. Ela deixou naquele lugar uma boa quantia do dinheiro que já escasseava em decorrência de tantos gastos com a saúde, e no final de meses não obteve nenhum resultado. Angustiada, já pensava em suicídio quando uma amiga, das poucas que ainda lhe restavam, falou de uma sortista afamada que, além de ver o futuro por bem pouco dinheiro, faria algumas xaropadas que com certeza a curariam. E assim foi que gastou mais do que o prometido, e tudo o que conseguiu foi um desarranjo intestinal.
A dor continuava. A fraqueza agora tomava conta daquele corpo, e sua mente já estava com dificuldade de raciocínio. Das Dores, que era sua confiável e amorosa cozinheira de longos anos, encolhida em sua humildade, mesmo nada falando para a patroa, fazia rezas e pedidos para que recobrasse a saúde. Sabendo da aversão que a madame tinha pelos cultos afro, nunca ousou lhe contar que frequentava um terreiro de umbanda na periferia. 
Naquela manhã, a jovem senhora, após uma noite de insônia e muita dor, repensando sobre. como a vida lhe estava sendo roubada dia após dia, desejou não levantar mais da cama. Desde que as dores se instalaram em sua coluna, só somara perdas, uma após outra. Primeiro, foi o marido que arranjou outra mulher, diante da limitação da esposa em acompanhá-lo em sua ativa vida social, depois, a filha casou-se e mudou de país, e, em seguida, os amigos, foram aos poucos se afastando, pois o dinheiro escasseava. 
Das Dores, vendo que a patroa desistia de lutar, solicitou à sua protetora, uma preta velha chamada Maria Redonda, que lhe intuísse sobre como agir para ajudar aquele espírito enfermo. E, naquela mesma noite, Das Dores foi transportada em corpo astral para uma colônia espiritual denominada Aruanda e de lá carregou os ensinamentos de que precisava para socorrer a madame. Haveria de levantar a patroa daquele leito e, mesmo a contragosto, procuraria dar-lhe um banho quente, vestir roupas claras e levá-la ao terreiro de umbanda, na noite de gira de preto velho. Então, inventando uma desculpa qualquer, a bondosa negra obedeceu à sua mentora, chamou um táxi e transportou a patroa até o local. Quando lá chegaram, a sessão estava sendo aberta. A madame, mesmo confiando na bondosa empregada, assustou-se ao ver que estava num "centro de macumba", denominação que usava para esses locais. Escutando lá de fora a batida dos tambores e o cantarolar efusivo da corrente mediúnica, seu coração disparou, suas mãos suaram, as pernas tremeram; em sua mente fervilhavam imagens que, por mais que forçasse, não conseguia apagar. Afloravam ressonâncias de um passado em que usara a magia de maneira errada, bem como de quando se viu vítima da Inquisição. Ora as imagens que tumultuavam sua mente eram de uma fogueira enorme, onde via seu corpo queimando; eram cenas de matança de aves cujo sangue lhe banhava a fronte. Dando um grito de horror, desmaiou. Mesmo assim, foi transportada para o interior do templo por dois cambonos e colocada aos pés do congá. Rapidamente, sob as ordens do guia-chefe que já estava atuando em seu médium, formou-se uma corrente de medianeiros ao seu redor, que, com a puxada de pontos cantados, incorporavam seus guias e protetores.
A vibração de exu se fez necessária para a contenção das forças que teimavam em comandar aquele espírito que ocupava o corpo inerte. Dementados pelo ódio, nem perceberam que a luz os havia atraído, e assim se tornaram iscas para que fosse localizado no plano astral seu chefe, mago negro que comandava a operação. Além de todos os socorros efetuados no Astral, os trabalhadores espirituais ali presentes, por intermédio dos médiuns que cediam seus aparelhos, limpavam e curavam os corpos imateriais da jovem senhora, que agora acordava sob o amparo da bondosa Das Dores. Sem tempo de tomar qualquer atitude, foi levada pela empregada a uma sala interna do templo, onde, deitada em maca coberta por alvos lençóis, ficaria até se restabelecer do desmaio. Enquanto isso, na frente do congá eram puxados pontos cantados na linha de Yorimá para que a sessão, destinada aos pretos velhos, pudesse ser iniciada. Entre essências e ervas, e . sob a égide do Astral superior, os bondosos e sábios espíritos baixavam suas vibrações para chegar até os médiuns designados para o trabalho da noite. Um a um, sentadinhos em seus tocos, cachimbando e batendo o pé, atendiam amorosamente os consulentes que se enfileiravam em busca de alento e conforto. Já no final da sessão, o guia-chefe ordenou que fosse trazida a filha adoentada para que Maria Redonda a atendesse. Ainda um tanto assustada, mas sentindo imensa paz e quase sem dor nenhuma, a madame se deixou levar, embalada pelos bons fluidos que inundavam aquele ambiente tão simples, onde podia sentir-se tão protegida. Sentada em frente à sua amada cozinheira, estranhou vendo-a vestida em traje branco, fumando cachimbo e falando:

domingo, 12 de abril de 2015

A VIDA NO PLANETA MARTE E OS DISCOS VOADORES - Aspectos gerais marcianos - X




PERGUNTA: A composição das calotas polares é, realmente, produto de gelo acumulado, à semelhança de nossos pólos?

RAMATIS: Nisso a ciência terrena não se equivocou, inclusive na anotação das nuvens azuladas, que registrou em suas observações. O que por vezes nos surpreende é que a mesma ciência, negando oxigênio suficiente em Marte, anota calotas polares e nuvens azuladas que resultam sempre de hidrogênio e oxigênio, na fórmula comum. Essas nuvens fundem-se, na primavera, em cada hemisfério e renovam-se no outono; algo semelhante ao que ocorre no vosso globo. Uma parte de água que se evapora; outra que segue o curso natural dos canais topográficos e uma última parte infiltra-se, fortemente, pelo solo, escapando à circulação. Em face de a atmosfera marciana ser mais tênue e translúcida, acentua-se a vossos olhos a brilhante alvura das calotas, em contraste com qualquer outra cor, por mais suave que seja.

PERGUNTA: Essas nuvens azuladas são exclusivamente resultantes das evaporações dos gelos polares?



RAMATIS: A maior percentagem provém do agrupamento de vapores de água, expelidos por enormes conjuntos de máquinas possantes, que fazem parte das instalações gigantescas, produtoras de chuvas e de recursos para atenderem à falta de água e de líquidos químicos nas regiões distantes da rede de canais. Funcionam continuamente com enrgia extraída da própria atmosfera e possuem admirável capacidade de armazenar, novamente revitalizadas, as energias consumidas.

sábado, 11 de abril de 2015

POR QUE NEM TODOS SE CURAM PELO RECEITURÁRIO MEDIÚNICO? - III



PERGUNTA:  E quais seriam os outros objetivos espirituais da mediunidade de cura, além de proporcionar a saúde física do homem e interessá-lo no estudo e no conhecimento dos princípios morais do Espiritismo?


RAMATÍS: A mediunidade de cura transforma-se num excelente ensejo de trabalho e preocupação proveitosa no mundo terreno, tanto para os adeptos do Espiritismo como para os próprios espíritos desencarnados desenvolverem suas virtudes no serviço de amor ao próximo. Na constituição de grupos de trabalho mediúnico em atividade caritativa, os médiuns redimem-se do passado delituoso e os demais companheiros dinamizam e fortalecem suas reservas espirituais. 
O Alto sempre nos proporciona a oportunidade de acelerarmos o nosso progresso espiritual, desde que estejamos também preocupados em solver os problemas angustiosos e difíceis dos nossos irmãos. E a seara espírita é um desses ótimos ensejos para a reabilitação da alma, e seu programa de trabalho educativo e redentor é uma segurança para o espírito bem-intencionado. O adepto do Espiritismo, quando estudioso e prudente, é como o general em véspera de batalha: ele esquematiza o seu próprio combate para vencer as paixões e os vícios nocivos inerentes à sua natureza animal. No entanto, o homem desinteressado de conhecer-se a si mesmo, indiferente a saber de onde veio, para onde vai e o que significa no Universo, pode julgar-se um ser habilidoso e astuto, porque aproveita epicuristicamente todos os prazeres do mundo físico. No entanto, ele é um completo desmentido ao conceito de sabedoria espiritual, uma vez que não é sábio nem talentoso, mas estúpido e simplório, pois quem se desinteressa de conhecer a sua própria existência real, nega-se a si mesmo!
O Espiritismo, além do objetivo importante de ajudar o homem a descobrir sua própria imortalidade e significação no Cosmo, através do serviço mediúnico benfeitor, também rompe mais cedo os grilhões do Carma humano pregresso. É evidente que todas as horas empregadas pelo homem nas tarefas espirituais, tanto o afastam do contacto prejudicial com as paixões inferiores como o livram das ligações perigosas com os espíritos das sombras.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...