Sabedoria Ramatis

Sabedoria Ramatis

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

RAMATÍS E VOVÓ MARIA CONGA - OS PRETOS VELHOS E A IMPORTÂNCIA DAS ERVAS NOS TRABALHOS DE CURA.


PERGUNTA: - Por que os pretos velhos utilizam ervas?

VOVÓ MARIA CONGA: - Os filhos sabem da grande capacidade curativa das ervas e das plantas. Os princípios químicos emanados desses fitoterápicos são utilizados na magia para a cura das mais diversas moléstias. De maneira mais simples possível, podemos dizer que têm grande repercussão etérica, como fiéis potencializadores das energias vinculadas aos quatro elementos no plano físico, ou seja, o fogo, a água, o ar e a terra, que abundam em todo o planeta por meio de vibrações próprias, e que estão presentes na constituição energética de todos os filhos e se manifestam especialmente nos corpos físico e etérico. Então, manipulamos as ervas que contêm as energias que estão faltantes nos filhos, refazendo o equilíbrio do corpo etérico, com imediato alívio das mazelas que os afligem no campo fisiológico.

PERGUNTA: - Pedimos maiores esclarecimentos sobre essas energias e manipulações. A prece fervorosa não é o suficiente?

VOVÓ MARIA CONGA: - Faz-se importante que os filhos entendam que as ervas utilizadas nesses casos são núcleos energéticos, agindo como acumuladores durante o crescimento das plantas de que são originárias. Estamos falando de energias eletromagnéticas e etéreo-físicas, em alguns casos mais potentes que as existentes na própria aura humana.
Quando as ervas são queimadas ou maceradas, obedecendo a certos rituais da Umbanda, que impõe disciplina mental e concentração aos médiuns, conseguimos atrair energias afins e a cooperação dos espíritos da natureza que estão vinculados aos sítios vibratórios correspondentes. No caso de queima das ervas, seja por meio de defumações ou incensos, o potencial de energia emanado é potencializado com a egrégora mental que se cria, dos médiuns, guias e protetores, repercutindo vibratoriamente nos planos físico, etérico, astral e mental, elevando o psiquismo dos seres, equilibrando a emotividade e exaltando as qualidades que estão inconscientes. Há uma modificação energética e magnética do ambiente e dos seres, desintegrando-se morbos psíquicos, miasmas, larvas, vibriões e bacilos astrais que ficam estagnados em ambientes e auras enfermiças. Concordamos com a grande eficácia da prece fervorosa, que, quando emanada com súplica e renúncia, se transforma em potente rádio-transmissor, eficaz instrumento de auxílio utilizado pelos guias e protetores. Mas, quanto aos consulentes perturbados, com o discernimento abalado, e que mal podem dizer os seus nomes, como exigir deles uma prece fervorosa? Com tamanha necessidade de ajuda, impõe-se recurso que propicie um alento imediato para que, vencida essa etapa de imobilização mórbida, possam esses filhos se utilizar do inquestionável recurso da prece.


PERGUNTA: - Como ocorrem os núcleos energéticos e acumuladores das plantas em processo de crescimento? Concluímos que não existe somente o mecanismo de ação fármaco-químico. É isso?

VOVÓ MARIA CONGA: - Desde o momento em que as ervas começam a germinar, até o instante exato da colheita ou poda, sofrem influências do magnetismo planetário, intervenções astrológicas e intensa absorção das energias solar e lunar, que passam a fazer parte do encadeamento energético de suas auras, compondo o complexo físico, etéreo e astral desse vegetal. Os chamados componentes fármacos-químicos fazem parte do "corpo físico" dessa planta, sendo a parte visível do todo energético que a envolve. Manipulamos mais precisamente a contraparte etérica, sendo os princípios físicos emanados, repercussão desta, e não o contrário. Ainda falta muito aos filhos para entenderem toda a cadeia da alquimia astral.

ELUCIDAÇÕES DE RAMATÍS SOBRE "BASE DE ORGANIZAÇÃO TREVOSA"



PERGUNTA: - O que é uma "base de organização trevosa" e um "bolsão de espíritos sofredores"?

RAMATÍS: - Uma organização especializada no mal, que é o sustentáculo astral de médiuns desviados da caridade desinteressada, que mercantilizam a mediunidade como se fosse balcão de escambo que a tudo resolve, geralmente tem locais em que se assentam seus equipamentos tecnológicos, centros de pesquisas, reservatórios ectoplásmicos vampirizados, e, para espanto de alguns mais delicados, guardam suas armas como se fossem realmente uma tropa de combatentes. Isso é o que podeis entender como "base de organização trevosa". Não é a cidadela dos desmandos em si, mas um local que lhe pertence, e o principal da estrutura malévola montada. Suponhamos um encarnado abruptamente desligado do corpo físico por um acidente traumático, um incêndio. No Astral, esse ser vê-se indefinidamente na situação do desencarne abrupto, como se eternas labaredas lhe fritassem as carnes, num quadro de demência que cria continuamente formas-pensamentos do cenário fatídico, como teatro real plasmado com personagens fictícios, que são criados pela mente em desequilíbrio. Num certo instante desse processo dantesco, outros espíritos na mesma condição mental estabelecem faixa sintônica com essa egrégora criada pelo primeiro desencarnado, que até então estava sozinho na sua louca ideação. E, assim, sucessivamente, outras entidades na mesma condição existencial, todas queimadas pelas chamas na Terra, vão se juntando como fiéis personagens de um roteiro escrito pelas mesmas sensações e emoções em desalinho.

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

O PODER DO PENSAMENTO, MAGNETISMO, ECTOPLASMA E FORMAS-PENSAMENTO.



 
PERGUNTA: - Como contribuímos com o nosso magnetismo animal e doamos ectoplasma?

RAMATÍS: - De forma natural, vosso duplo etérico, quando levemente distanciado do corpo físico, se torna uma "usina" fornecedora dessa substância altamente plástica entre os planos astral e físico. Quando sofreis as catarses emotivas,.há a liberação de enormes quantidades desse combustível animalizado, o que difere totalmente de atividades mentais de irradiação. Cabe-nos elucidar-vos que raramente, nos encarnados, o corpo mental inferior atua em separado do corpo astral, o que esclareceremos mais adiante no capÍtulo "Viciação mental-emocional".

PERGUNTA: - As ondas mentais que citastes seriam as formas de pensamento?

RAMATÍS: - Toda onda mental é um tipo de pensamento, mas nem todas criam as formas de pensamento. Há de se avaliar que as formas de pensamento pairam no éter, no plano astral e no plano mental, dependendo de sua origem. Quando originária das emoções e dos sentimentos atuarão no Astral. Todavia, podem ser plasmadas no plano mental como são as formas de pensamento dos campos de força da apometria, direcionadas para auxilio a um ente. Por exemplo: aquelas que têm finalidade de proteção e são fixadas em volta da aura do corpo mental inferior e astral do auxiliado, na sua residência ou local de trabalho. Podemos afirmar que as formas de pensamento são "entidades" vivas animadas pela ideia que as gerou(*). As puras formas de pensamento do plano mental interferem no plano astral; o contrário não se dá, pelo simples fato de que as frequências mais altas interferem nas mais baixas, interpenetrando-as, sendo impossível o inverso ocorrer.

domingo, 6 de agosto de 2017

"OS ESPÍRITOS SÃO ATRAÍDOS PELOS PENSAMENTOS AFINS".


PERGUNTA: - Na resposta à questão 553 do Livro dos Espíritos, encontra-se a seguinte afirmação: “... não há nenhuma palavra sacramental, nenhum sinal cabalístico, nenhum talismã que tenha qualquer ação sobre os espíritos, porque eles são atraídos pelo pensamento e não pelas coisas materiais”. Pedimos vossos comentários a respeito.

RAMATÍS: - Sem dúvida, os espíritos são atraídos pelos pensamentos afins e pelos sentimentos similares. Considerai vossa habitual desconcentração mental e concluireis que as palavras sacramentais, os mantras, os cânticos, as preces iniciais, os sinais geométricos e cabalísticos, os talismãs, as guias, as imagens pictóricas, o congá, o altar, o santo. de fé e a água fluidificada são recursos válidos para os encarnados acalmarem suas agitadas mentes, se concentrarem e conseguirem ter um fluxo de pensamento continuo e concentrado para a sintonia com os espíritos do "lado de cá".
Aliado a esse fato, servem de pontos de fixação e apoio mental para a elaboração de formas de pensamento que, quando vos reunis em grupo, criam as egrégoras, potentes aglutinações energéticas manifestadas no fluido cósmico universal peculiar ao plano astral. Conjugadas com vosso fluido animal, criam o amálgama que se requer para a cura dos sofredores desencarnados, retorcidos de dores por membros esfacelados, ferimentos e perturbações diversas. Ainda permitem plasmarem-se objetos, instrumentos, benfeitorias e habitações exigidas pelos centros socorristas no Umbral inferior.
Como é o pensamento que age, os talismãs e as outras formas materiais são apenas sinais que ajudam a direcioná-lo, como é respondido na questão 554 daquele importante livro doutrinário. Obviamente, isso não deve vos conduzir excessivamente a esses objetivos materiais, e sim aos valores alicerçados na moral e na conduta evangélica.
Claro está que o conhecimento do esoterismo, da astrologia, dos orixás, do magnetismo, da física, da química, da apometria, das escolas orientalistas, da magia e do ocultismo, de maneira geral, contribuirão para que tenhais fundamentos no manuseio desses elementos materiais, tão importantes no mundo das formas para as vossas concentrações. Todavia, não deveis vos deixar aprisionar pela manipulação desses recursos, ou vos tornar dependentes dos rituais.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

A UMBANDA E OS CULTOS AFRO-BRASILEIROS




PERGUNTA: - Quais os motivos de as personagens ditas orixás, e suas histórias de amor e quizilas, serem tão comuns e aceitas nos cultos afro-brasileiros?

RAMATÍS: - Os cultos afro-brasileiros são massificados, assim como a umbanda o é. Isso não quer dizer que sejam inferiores aos cultos eletivos, como o são as ordens iniciáticas: Maçonaria, Rosacruz, Teosofia, entre outras. Considerai ainda que o fato de os cultos afro brasileiros serem populares não significa que muito de seus terreiros não tenham ritos internos para uns poucos eleitos que são iniciados nos segredos velados à maioria profana.
Estudai as mentes dos indivíduos comuns: cidadãos aposentados, trabalhadores da indústria de construção, donas de casa, desempregados, marceneiros, pedreiros, artesãos, pequenos comerciantes, e verificareis que em geral são totalmente voltadas para o exterior. Trata-se de pessoas cujas atenções se voltam para ritos externos, com o desfile de imagens simbólicas que causam continuas impressões no campo de suas consciências simples e ainda incapazes de abstrações meditativas silenciosas na busca do "eu interior" do espírito eterno.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...